III Congress of International Studies of Galicia. (English)

ENGLISH VERSION

VERSÃO EM PORTUGUÈS

The Paz Andrade law as a model of cooperation and business integration in Europe.

Lecture given by XOSE CARLOS MORELL at the III Congress of International Studies of Galicia. Faculty of Social Sciences. University of Vigo. Pontevedra, April 28, 2019

«Today you have in front of you the possibility of showing, not only to the business community, but to all Galicians, to our sons and daughters, that we have an extensive and useful language, with a dignified past for centuries, and an immense future, like this country has. «

In effect, with these words I finished the speech that I had the great honor to present to the Galician Parliament on May 16, 2013, so that the parliamentary groups unanimously approved the Popular Legislative Initiative «Valentim Paz Andrade», which was converted into a Law , also after achieving another round, the unanimity of the Parliament of Galicia, on March 24, 2016.

Almost three years later, the Paz Andrade Law is still at the beginning of its development, with decrees and government actions only witnessing. For my part, once I have fulfilled my spokesperson’s representation of an initiative of 17,000 people subscribers with pen, and many and better workers in it than I, I will merely describe a panorama from a professional point of view, as a director of a Chinese company that is investing in the European Union countries that offer better opportunities from the point of view of profitability, which brings with it more and better material development options for them. In fact these countries can analyze their competitive advantages, look with the objective vision that provides the reality, its fit in the world.

It was precisely in the logic of enterprise and entrepreneurial culture that the foundations of the Paz Andrade Law were laid. At a historic moment of some intellectual narcissism and lack of commitment to the future by Galician public cultural institutions, the business sector has inspired cultural development as a complement to material development.
Popular Legislative Initiative Paz Andrade was born precisely from the awareness of Galician’s usefulness to business and international affairs, with the proposal of the General Direction of Linguistic Policy of the Government of Galicia, directed at that time and also now by Valentim Garcia.

I am not a technical expert on how the Spanish State should share in a fairer way the budgets that it obtains within the political and economic stability that the European Union provides to it. Nor do I know if Spain needs more or less debt to finance. But I can say that I believe that in general, in order for agreements, and even more so, social agreements, which are laws, to have a projection, it is not enough to have a qualified majority, but a broad consensus is needed, and this means that trading be focused as win-win. That is, trust deposits in the good to be divided tend to increase rather than to decrease. It also means that the promises of modernization and improvement of future living conditions, and not just an ideological promise, br visible.

The entrepreneurial point of view, the enterprise, is salutarily complementary to the political, or purely political-administrative, or to that Kantian moral of categorical imperatives, which are already irritating to a citizenship that does not tolerate being treated as a passive recipient of messages, regulations and regulations. Therefore, I think that in order to evaluate the future development of the Paz Andrade Law, it is not wrong to consider the panorama that the globalization of communication and of capital and population movements is producing, of which I can give some clues, especially of those referring to one part to the two European Union States, which have Portuguese as their official language, although in a different way (always considwrong the fact that we Galician speak one of the variants of Portuguese among us); and, on the other hand, an economic region, China, which is the reference of the world economy.

From my point of view, what is fundamental is a historical transformation of the models of economy and governance that is followed by new ways of communication. A transformation of equal size to what the Roman roads and the Way of Santiago supposed, to the configuration of Europe, or the silk route in Asia. We can say that both continents and civilizations were created through their ways of communication and population exchanges. It was the Roman roads that expanded not only the languages ​​of the Roman Empire, but with it Greek culture and Christianity during the ancient and medieval era. In the modern era, under the power of the states was that the great European languages ​​reached other continents not only in the conquests but also in the population migrations of the contemporary age, taking our way of understanding the world. It is clear that these communications were not made on an equal basis, and our current Euro-socio-cultural mindset tends to value, on the one hand, the native cultures which have in many cases been nullified by larger languages, and on the other hand the fact that the movements of migrants took place among «the discarded ones». But there are two facts that we can not ignore in the great migrations of modern and contemporary history of Europe, and to which I will return when speaking about the new economy, governance and migrations of the digital age and of services.

Europe shared its culture and communication tools that could be used in both directions without cultural apartheid.

Human migrations, although caused by an economic downturn, contribute net and measurable wealth to the «host» countries. This must be taken into account in order to avoid the demagoguery with which European neo-Nazis want to be seen in immigration.

From there I wanted to share with you a historical reinterpretation of the phenomenon that produced the diminution of use of the Galician language in the Minho south. The sudden economic ruin of Galicia in the early eighteenth and early nineteenth centuries has always been considered by academic historiography, on the materialist – productivist basis, as the result of the country ‘s lack of political institutions that a «rexurdimento» homologous to the decolonization movements should resolve.

I defended, and continue, that the Galician language has a most worthy past for centuries. Not only did it originate in the more powerful medieval Kingdom of Western Europe, when Castile and Portugal were only counties. It is that during the modern age, Galicia, under the base of a productive and agricultural economy, which was at that moment predominant, was the richest and most advanced Kingdom of the State, already under the Crown of Castile, doubling in population to the counties of Catalonia, with our territory full of temples and works of art.

They were not «dark ages» for the country. The purchase of the vote in court for 100,000 ducats in 1623 was a real whim of the Galician ruling houses, and no need for self-government, for as you well know, the real government resided in the royal court and in the «validos» or ministers. I do not know if today there would be some Galician company willing to take from their profits the equivalent amount, some 2 million euros, that would be equivalent to all the one year in companies like Hijos de Rivera or Jealsa, to buy a whim or something of as much practical uselessness.

The country’s natural wealth had given way to the consolidation of a political entity in the Middle Ages in which the Western romance was literary language and power. During the Modern Age, to the north of the Minho we stayed in our lands, while the state of the beyond Minho developed and transited the global communication routes.

When in the Contemporary Age, Europe sends floods of migrants from the ruined territories in the new model of productive-industrial economy, made on that circulatory system that had already been opened. European migrants had the chance to go where Europe had previously established communicative bases.

The usefulness of language is not exactly a practical utility in facilitating migration in the conditions of the nineteenth century, because the economy and the ways of communication are very different. The new channels of communication are constituted by the digital world. On the one hand, we can say that they are bilateral, or multilateral, and on the other, that the migrant, whatever his or her job and situation (netizen is also migrant) is always producing more profit than the state’s demand, both in net profitability as well as the fact that he/she acts as a bridge between cultures.

Faced with these realities, the role of the state, or power, over the ways of communication is no longer who opens, channels or fills. Nor is it even to provide nurturing roots or ground, for human communities have also become multicultural, and people can share in the heart multiple cultures. Nor do I think that the main role of the State with a language such as ours must be direct promotion, or how much money the labeling is intended to be in Galician. Languages ​​are no longer «minorized,» «B languages,» or whatever the ancient sociolinguistics term. Now it is a matter of some languages ​​finding their functionality or not. We also have to consider that States do not allocate their own or indebted resources to the promotion of languages, and that culture is no longer a sector that justifies itself as a direct recipient of funds. Still the Spanish state, and knowing that only Castilian is directly or indirectly its strategic interest, to its financiers (the so-called «markets») does not suppose an attraction, nor does it have as much to offer as the Portuguese State.

Without analyzing the macroeconomic comparators, it is clear that the Portuguese economy sends signs of credibility and low risk over Spain. In addition to my own experience, the risk premium of the two countries is practically equal. According to the latest data from the Marsh Foundation, the country risk of Spain is homologated with countries like Turkey while that of Portugal is at the level of Germany or France.
Within Spain it is harder to see this reality, and it is often from the outside that information is best. Spain is very nice as a tourist destination, but it is a true «high risk product» for foreign investment. Not just Red Tape + Taxes binomial, but its political instability. I am not referring to the possible political independence of some autonomous Community (it is fine if it to fulfills its payment commitments) but to lack of judicial independence, which has one of the worst levels in the EU, and greater Strasbourg corrective sentences. Not to mention the fact, the political growth of anti-European positions.

As Portugal belongs to the southern bloc of the European Union, a new destination for major communication projects with Asia and its investments, the advantages of being part of Lusophone become clearer.

Galicia forms part of two of these great communication channels: Hispanophony and Lusophony. Of one of them, the lusophony, by origin, language, culture, and to be part of the European Union along with another sovereign territory. The fact that a Law is directly directed to take advantage of its opportunities in this context has much to develop considering what are the ways of communication that in the future will be functional and that lusofonia offers.

In the first place, the two borders of the Minho have already been united in the same real government and in the same economic system. That there is a legal recognition so that the two variants of oral language can be united in the way of writing is simply a question of time, not of space. Whether this happens sooner or later will be more in favor of Galicia.

In order to follow, Galicia and Portugal are united in a new economic and multilateral world governance scenario in which the roads and means of communication do not depend on their respective states, but on how to position their country brands, and how to seize their opportunities by cooperating , not competing within the European Union.

It is absurd, as can be understood after all this explanation that the country trade mark of Galicia continue only as dependent of the one of Spain without exploring the possibilities of being part of the lusophony.

To conclude, there are still other examples taken from China that I wanted to show how Galicia can be by facts, and not only by political discourse, not dependent on Spain, its budgets, its aid and charity. Or even less complementary, because Spain is also an opportunity for Galicia, and as we said before, we are as community and persons a good example in the European Union and the planet of multiculturalism.

1- Macau is a Special Autonomous Region within China that has Portuguese as its official language. The Chinese central government knows how to use this tool intelligently. Intelligently means without protectionist fears based on concepts of sovereignty already overcome, but with the spirit of using and being part of the means of communication that the Portuguese suppose. Maybe someday the Foreign Ministry of Spain will take note of the lesson.

2 – The Chinese province of Xinjiang, to the northwest Chinese, was of ethnic and Muslim religion before being colonized by han, that now they are numerical majority. The Chinese government wants to give a paternalistic image of minority protection, as if they were panda bears. And the effect it causes is just the opposite. It is the Han (Chinese) who resent Uighurs (Muslims) because their «privileges.» Does this speech sound familiar?

3- Returning to the south-east, the Great Bay, or the Pearl River Delta, is certainly one of the richest, if not most, areas of the planet. It extends in Guangdong province, with Hong Kong and Macao to both the borders of the end of the River. United this year by a bridge of 80 kilometers, the longest one in the world. The native language is Cantonese, that of Bruce Lee. Even today it is an international language, not because it is spoken outside of this region, but because its speakers in Hong Kong mainly speak English and those who do international business.
Cantonese, like the other languages ​​of China, is simply ignored by the government. Neither for nor against. It just does not exist.
Since returning Hong Kong and Macao to the mainland, in Guangzhou, the main city, and others of the region, its inhabitants have been in contact with those of the former colonies, and use their language among them proudly your exclusive property. It is not publicly stamped. It’s just them, from who they are in the world and doing international business, creating wealth and well-being.

So we end up with the idea of ​​the beginning, and I simply encourage you to know that the Galician language has an immense projection and we have the subject to take advantage of it or worse. Good afternoon and good luck. Thank you.

e galegas, aos nossos filhos e filhas, que temos uma língua extensa e útil, com um digníssimo passado de séculos, e um imenso futuro por diante, como o que tem este País”.

Com efeito com estas palavras terminava o discurso que teve a grande honra de apresentar ao Parlamento da Galiza em 16 de Maio de 2013 a fim de que os grupos parlamentares aprovaram por unanimidade a Iniciativa Legislativa Popular “Valentim Paz Andrade”, que ficou convertida em Lei, também após lograr outra volta, a unanimidade do Parlamento da Galiza, em 24 de março de 2016.

Quase três anos depois, a Lei Paz Andrade ainda está nos inícios do seu desenvolvimento, com decretos e ações de governo apenas testemunhais. Da minha parte, uma vez cumprida a minha representação de porta-voz de uma iniciativa de 17.000 pessoas assinantes com caneta, e muitos e melhores trabalhadores nela do que eu, limito-me a descrever um panorama do ponto de vista profissional, como diretivo de uma empresa chinesa que está a investir nos países da União Europeia que ofereçam melhores oportunidades baixo o ponto de vista da rentabilidade, o qual traz consigo mais e melhores opções de desenvolvimento material para eles. Aliás estes países podem analisar as suas vantagens competitivas, olhar com a visão objectiva que proporciona a realidade, o seu encaixe no mundo.

Foi precisamente na lógica da empresa e da cultura empreendedora como foram postos os alicerces da Lei Paz Andrade. Em um momento histórico de certo narcisismo intelectual e falta de compromisso com o futuro por parte das instituições culturais públicas, o setor empresarial inspirou o desenvolvimento cultural como complementar ao desenvolvimento material.
A ILP Paz Andrade nasceu precisamente da consciência da utilidade do galego para a empresa e os negócios internacionais, com aquela proposta da Direção Geral de Política Linguística do Governo Galego, dirigida naquela altura e também agora por Valentim Garcia.

Não sou especialista técnico em como é que o Estado espanhol deve repartir de um jeito mais justo os orçamentos que obtém dentro da estabilidade política e económica que lhe proporciona a União Europeia. Tampouco sei se precisa de mais ou menos dívida para se financiar. Sim lhes posso dizer que eu acredito que em geral, para que os acordos, e mais ainda os acordos sociais que são as leis, tenham projeção, não é suficiente com maiorias mesmo qualificadas, mas é preciso um consenso amplo, e isto significa que a negociação esteja focada como win-win. É dizer, que os depósitos de confiança no bem a dividir tendam ao incremento, e não à diminuição. Significa também que sejam visíveis as promessas de modernização e melhora das condições de vida futuras, e não apenas uma promessa ideológica.

O ponto de vista empresarial, o empreendimento, é saudavelmente complementar ao político, ou puramente político-administrativo, ou àquela moral kantiana de imperativos categóricos, que já resultam irritantes para uma cidadania que não tolera ser tratada como um destinatário passivo de mensagens, regulamentos e normativas. Portanto, acho que para avaliar o desenvolvimento futuro da Lei Paz Andrade, não faz mal considerar o panorama que a globalização da comunicação e dos movimentos de capital e população está a produzir, dos quais eu posso dar algumas pistas, especialmente daqueles que se referem de uma parte aos dous Estados da União Europeia, que têm o português como língua oficial, ainda que de diferente jeito (partindo sempre do facto de que entre nós falamos uma das variantes do português); e, de outra parte, uma região económica, China, que é a referência da economia mundial.

Do meu ponto de vista, o que há de fundo é uma transformação histórica dos modelos de economia e de gobernanza que vem seguida das novas vias de comunicação. Uma transformação de igual calado ao que supuseram as vias romanas e o Caminho de Santiago, para a configuração da Europa, ou a rota da seda na Ásia. Podemos afirmar que ambos continentes e civilizações foram criados polos seus meios de comunicação e intercâmbios de população. Foram as vias romanas as que expandiram não só as línguas do Império Romano, mas com ele a cultura grega e o cristianismo durante a era antiga e medieval. Na era moderna, baixo o poder dos Estados foi que os grandes idiomas europeus chegaram a outros continentes não só nas conquistas, mas também nas migrações de população da idade contemporânea, levando o nosso jeito de compreender o mundo. É claro que estas comunicações não foram feitas em condições de igualdade, e a nossa mentalidade euro-socio-eco-cultural atual tende a valorizar de uma parte as culturas nativas que foram em muitos casos anuladas polas grandes línguas, e da outra o facto de os movimentos de migrantes se produzirem entre “os descartados”. Mas há dous factos que tampouco podemos ignorar nas grandes migrações da História moderna e contemporânea da Europa, e aos que voltarei ao falar da nova economia, gobernanza e migrações da Era digital e de serviços.

Europa compartilhou a sua cultura e instrumentos de comunicação que puderam ser utilizados em ambas direções, sem ‘apartheid’ cultural.
As migrações humanas, ainda que causadas por uma quebra económica, contribuem com riqueza neta e mensurável para os países “de acolhida”. Isto deve ser tido em conta para evitar a demagogia com que os neo-nazismos europeus pretendem ser vista a imigração.

A partir de aí queria compartilhar com vocês uma reinterpretação histórica do fenômeno que produziu a diminuição de uso da língua galega no aquém Minho. A repentina ruína económica da Galiza, nos começos do século XVIII e princípios do XIX sempre foi considerado pola historiografia acadêmica, sobre a base materialista – productivista, como o resultado de carecer o país de instituições políticas que um “Rexurdimento” homologável aos movimentos de descolonização deveria resolver.

Eu defendi, e continuo, que a língua galega tem um digníssimo passado de séculos. Não só pola sua origem no Reino medieval mais poderoso da Europa ocidental, quando Castela e Portugal eram apenas condados. É que durante a idade moderna, Galiza, sob a base de uma economia de base produtiva e agrícola, que era a que naquele momento predominava, era o Reino mais rico e avançado do Estado, já baixo a Coroa de Castela, duplicando em população aos condados da Catalunha, com o nosso território lotado de templos e obras de arte.

Não foram “séculos escuros” para o país. A compra do voto em cortes por 100.000 ducados em 1623 foi um verdadeiro capricho das casas dirigentes galegas, e não nenhuma necessidade de auto-governo, pois como bem sabem, o verdadeiro governo residia na corte real e nos “validos” ou ministros. Não sei se hoje haveria alguma empresa galega com vontade de tirar dos seus lucros a quantidade equivalente, uns 2 dmilhões de euros, que equivaleria a todo o de um ano em empresas como Hijos de Rivera ou Jealsa, para comprar um capricho ou algo de tanta inutilidade prática.

A riqueza natural do País dera lugar à consolidação de uma entidade política na Idade Média na que o romance ocidental foi língua literária e de poder. Durante a Idade Moderna, ao norte do Minho ficámos nas nossas terras, enquanto o estado do além Minho desenvolveu e transitou as rotas de comunicação globais.

Quando na Idade Contemporânea, Europa envia enxurradas de migrantes procedentes dos territórios arruinados no novo modelo de economia produtiva-industrial, fez sobre aquele sistema circulatórior que já fora aberto. Os migrantes europeus tiveram a chance de sair aonde Europa previamente estabelecera bases comunicativas.

A utilidade da língua não é exatamente uma utilidade prática no sentido de facilitar as migrações nas condições do século XIX, porque a economia e as vias de comunicação são muito diferentes. As novas vias de comunicação estão constituídas polo mundo digital. Por uma parte podemos afirmar que são bilaterais, ou multilaterais, e por outra, que o migrante seja qual for o seu ofício e situação (também é migrante o netizen) sempre esta a produzir mais lucro do que demanda do Estado, tanto em rentabilidade neta quanto polo facto de atuar de ponte entre culturas.

Perante estas realidades, o papel do Estado, ou o poder, a respeito das vias de comunicação deixou de ser quem abre, canaliza ou enche. Nem é sequer de proporcionar raízes ou chão nutricio, pois as comunidades humanas também se converteram em multiculturais, e as pessoas podem compartilhar no coração múltiplas culturas. Tampouco penso que o principal papel do Estado com uma língua como a nossa tenha que ser já a promoção direta, ou quanto dinheiro destina a que as rotulagens estejam em galego. As línguas deixam de ser “minorizadas”, “línguas B”, ou o que quer que a sociolinguistica antiga denominar. Agora se trata de que algumas línguas encontrem a sua funcionalidade ou não. Também temos que considerar que os Estados não destinam à promoção das línguas os recursos próprios ou endividados, e que a cultura já não é um setor que se justifique por si próprio como receptor direto de fundos. Ainda o Estado espanhol, e sabendo que de modo direto ou indireto apenas o castelhano é o seu interesse estratégico, para os seus financiadores (os chamados “mercados”) não supõe um atrativo, nem tem tanto que oferecer como o Estado português.

Sem entrarmos a analisar os comparadores macroeconómicos, é claro que a economia portuguesa envia sinais de credibilidade e baixo risco por cima da Espanha. Para além da minha própria experiência, a prima de risco dos dous países estão praticamente igualados. Segundo os últimos dados da Fundação Marsh, o risco-país da Espanha está homologado com países como Turquia enquanto o de Portugal está ao nível de Alemanha ou França.
Dentro da Espanha é mais difícil ver esta realidade, e muitas vezes é de fora que melhor há informações. Espanha está muito agradável como destino turístico, mas é um verdadeiro “produto de alto risco” para os investimentos estrangeiros. Não apenas polo binómio Red tape + Taxes, mas pola sua instabilidade política. Não me refiro à possível independência política de alguma Comunidade autónoma (não faz mal se cumprir os seus compromissos de pagamento) mas à falta de independência judicial, que tem um dos piores níveis da UE, e maiores sentencias correctoras de Estrasburgo. Sem mencionar o facto, do crescimento político de posições anti-europeias.

Sendo que Portugal pertence ao bloco de países do Sul da União Europeia, novo destino dos grandes projetos de vias de comunicação com a Ásia e os seus investimentos, as vantagens de fazer parte da lusofonia ficam mais claros.

Galiza forma parte de duas destas grandes vías de comunicação: Hispanofonia e Lusofonia. De uma delas, a lusofonia, por origem, língua, cultura, e fazer parte da União Europeia junto com outro território soberano. O facto de que uma Lei esteja diretamente encaminhada a que aproveite as suas oportunidades nesse contexto tem muito a desenvolver considerando quais serão as vias de comunicação que no futuro vão ser funcionais e que a lusofonia oferece.

Em primeiro lugar, as duas beiras do Minho já ficaram unidas num mesmo governo real e num mesmo sistema económico. Que exista um reconhecimento jurídico para que as duas variantes da língua oral possam estar unidas no jeito de escrever é questão simplesmente de tempo, já não de espaço. Que isto aconteça antes ou depois será mais em favor da Galiza.

Para seguir, Galiza e Portugal estão juntas num novo cenário econômico e de governança mundial multilateral na que as vias e meios de comunicação não dependem dos seus respectivos Estados, mas de como se posicionem as suas marcas-país, e como aproveitem as suas oportunidades cooperando, não competindo, dentro da União Europeia.

É absurdo, como se pode compreender após toda esta explicação que a marca país da Galiza continuar só como dependente da de Espanha sem explorar as possibilidades de formar parte da lusofonia.

Para terminar, há ainda outros exemplos tomados da China que queria colocar para mostrar como Galiza pode ser polos factos, e não só polo discurso político, não dependente da Espanha, dos seus orçamentos, as suas ajudas e caridade. Ou polo menos complementar, pois também a Espanha supõe uma oportunidade para Galiza, sendo que, como dizia antes, somos comunitária e pessoalmente um bom exemplo, na União Europeia e no planeta, de multiculturalidade.

1- Macau é uma Região Autónoma Especial dentro da China que tem o português como língua oficial. O governo Central chinês sabe utilizar inteligentemente esta ferramenta. Inteligentemente quer dizer sem temores protecionistas baseados em conceitos de soberania já superados, mas com ânimo de utilizar e fazer parte das vias de comunicação que o português supõe. Talvez algum dia o Ministério de Negócios estrangeiros da Espanha tome nota da lição.

2- A província chinesa de Xinjiang, ao noroeste chinês, era de etnia e religião muçulmana antes de ser colonizada polos han, que agora já são maioria numérica. O governo chinês quer dar uma imagem paternalista de proteção das minorias, como se fossem ursos panda. E o efeito que causa é justo o contrário. São os han (chineses) quem ficam ressentidos com os uigures (muçulmanos) polos seus “privilégios”. Soa-lhes familiar este discurso?

3- Voltando ao sul-leste, A Grande Baía, ou o Delta do Rio das Pérolas, é com certeza uma das áreas mais ricas, se não a que mais, do planeta. Estende-se na província de Guangdong, com Hong Kong e Macau a ambas beiras do final do Rio. Unidas neste ano por uma ponte de 80 quilómetros, a mais longa do mundo. A língua nativa é o cantonês, a de Bruce Lee. Ainda hoje é língua internacional, não polo facto de ser falada fora dessa região, mas porque os seus falantes de Hong Kong principalmente são os que falam o inglês e os que fazem negócios internacionais.
O cantonês, como as outras línguas da China é simplesmente ignorada polo governo. Nem a favor, nem em contra. Simplesmente, não existe.
A partir da devolução à China da soberania de Hong Kong e Macau, em Cantão, a principal cidade, e outras da região, os seus habitantes ficaram en contacto com os das ex-colónias, e utilizam entre eles a sua língua com orgulho de ser a sua exclusiva propriedade. Não é algo público estatalizado. É apenas deles, de quem estão no mundo e fazem negócios internacionais, criando riqueza e bem estar.

Acabamos por tanto com a ideia do começo, e simplesmente encorajo a vocês a saber que o idioma galego tem uma projeção imensa e de nós é assunto aproveitar melhor ou pior. Boa tarde e boa sorte. Obrigado.

Esta entrada fue publicada en Chantel, Europe, Portugal. Guarda el enlace permanente.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.